Hospital Frei Galvão

Hospital Frei Galvão -

Nefrologia

O que é Nefrologia?

É a área da Medicina que estuda e pesquisa o funcionamento dos rins e as doenças renais.

O que é um Nefrologista?

Nefrologista é um Clínico Geral (Medicina Interna) com especialização em doenças renais.

O que é o Rim?

O ser humano possui dois rins que têm cor vermelha escura e forma de um grão de feijão. Os dois medem 12cm em uma pessoa adulta e pesam, em média, 130 -170g cada um. Localizam-se nas costas um de cada lado da coluna e protegidos pelas últimas costelas.

Aproximadamente, passam pelo rim 1.200 a 2000 litros de sangue por dia que chegam através das artérias renais. No interior dos rins, as artérias dividem-se em vasos, cada vez menores até formarem um enovelado de vasos muito finos que constituem o glomérulo. O glomérulo é o verdadeiro filtro do rim, por onde o sangue passa e é filtrado, eliminando todas as substâncias indesejáveis, através da urina. Existem aproximadamente um milhão de glomérulos em cada rim.

A urina é formada pela eliminação da água desnecessária, dos sais e outros produtos que não devem ser acumulados no nosso sangue. A quantidade diária de urina formada a partir de 1200 a 2000 litros de sangue que passam pelo filtro renal, é de aproximadamente 1,2 a 1,5 litros por dia.

Partindo do espaço capsular, a urina inicia a sua caminhada para o exterior, descendo pelo túbulo proximal e depois pelo ureter, chegando à bexiga e saindo pela uretra.

Na urina são eliminados diariamente, além da água, sódio, cálcio, fósforo, uréia, ácido úrico e inúmeros outros produtos do catabolismo do nosso organismo. O trabalho metabólico aproveita o que serve para o organismo e rejeita o que não deve ser assimilado (produto catabólico), e enviando ao rim para ser eliminado por ser desnecessário.

Para que servem os Rins?

Entre as inúmeras funções do rim salientam-se as seguintes:

O rim é responsável pela eliminação dos resíduos tóxicos produzidos pelo nosso organismo como a uréia e o ácido úrico. São suas as funções de filtração, limpeza e depuração;

O rim controla o volume do organismo, eliminando ou conservando os líquidos. Por exemplo, qualquer excesso de água no corpo é eliminado pela urina; É o chamado efeito diurético.

O rim exerce controle sobre os sais de nosso corpo, eliminando os seus excessos ou poupando-os nas situações de carência.

A partir do controle do volume (líquidos) e dos sais, ele exerce grande influência sobre a pressão arterial e venosa do nosso organismo.

O rim produz e secreta hormônios: como a eritropoetina, vitamina D e a renina. A eritropoetina interfere na produção dos glóbulos vermelhos e a sua falta pode levar a uma anemia de difícil tratamento. A vitamina D, calciferol, controla a absorção intestinal de cálcio. E a renina, junto com a aldosterona, controla o volume dos líquidos e a pressão arterial de nosso organismo.

Assim, os rins regulam a pressão arterial, filtram o sangue, eliminam as toxinas, controlam a água e o sal no corpo, produzem hormônios e eliminam os excessos de medicamentos e outras substâncias ingeridas.

Quando procurar um Nefrologista?

Deve-se procurar um nefrologista quando algum desses sintomas, abaixo relacionados, ou sinais de alterações de doenças renais estiverem presentes; se tiver familiares com doença renal, hipertensão, diabetes, cálculos e cistos renais, ou quando tiver alguma dúvida sobre estes sintomas e sinais:

Micção alterada, por um jato fino, difícil e/ou sem força; quando a micção é acompanhada de dor, ardência, aumento da freqüência ou mau cheiro. Levantar-se muitas vezes à noite para urinar sem razão, como por excesso de ingestão de líquidos.

Quando a urina apresenta coloração diferente do amarelo claro, por exemplo escura como coca-cola, sangüinolenta ou amarelo muito escuro ou quando ao urinar surgir grande quantidade de espuma.

Exame de urina que apresentar proteínas, sangue, glicose, pus, cilindros e bactérias.

Inchume (edema) de mãos, pés ou olhos.

Dor lombar, com urina escura ou sangüinolenta. Dor em cólica com ou sem eliminação de cálculo. Dor permanente, sem modificações, nos flancos.

Pressão arterial elevada.

Palidez exagerada (cor de palha de trigo) ou anemia que não responde ao uso de medicamentos com ferro.

História de doença renal familiar. Exemplos: rim policístico, cálculo renal.

Todo portador de diabetes mellitus com mais de 5 anos de evolução.

Portador de doenças do colágeno, artrites (gota), lúpus.

Exame de sangue com taxas altas de creatinina, uréia, ácido úrico, fósforo e cálcio.

Ecografia ou radiologia ocasional que mostre rins aumentados ou diminuídos, presença de cálculos, tumores ou cistos.