Hospital Frei Galvão

Telefone:

Hospital Frei Galvão -

Especialidades

  • Biópsia de Mama

    Biópsia de Mama

    Durante este procedimento, o médico introduz uma agulha muito fina na área suspeita da mama. Fluidos ou células são retiradas (aspirado) do nódulo e examinado ao microscópio por um patologista. Este tipo de biópsia é relativamente rápida, e qualquer desconforto dura apenas alguns segundos.

  • Biópsia Hepática

    Biópsia Hepática

    Biópsia de fígado ou biópsia hepática é um procedimento por meio do qual se retira um pequeno fragmento de tecido hepático, que será examinado sob microscópio de forma a identificar as causas ou analisar o estágio de evolução de uma doença hepática.

  • Cirurgia Bariátrica

    Cirurgia Bariátrica

    Conhecida também como cirurgia da obesidade e cirurgia de redução do estômago. Quando a obesidade já chegou a um nível crítico e as atividades físicas não causam efeito, é necessário uma intervenção médica como a cirurgia bariátrica (baros=peso). É recomendada, principalmente para pacientes com o índice de massa corporal superior a 40.

    Excesso de peso.O excesso de peso pode trazer agravamentos médicos como a hipertensão, diabetes e disfunções respiratórias. O tratamento contra a obesidade é considerado clínico, ou seja, é necessário que ocorra a reeducação do paciente na forma física, psicológica e nutricional.

    A primeira cirurgia bariátrica foi realizada por Kremen e Liner em 1954. Nessa ocasião, o procedimento foi feito com o intuito de promover a redução de peso e foi utilizado o by-pass (desvio) do intestino. Em 1982, foi feita a inserção de um método cirúrgico que se tornou bastante utilizado ao longo dos anos, a gastroplastia vertical com bandagem. Esse método é simples e com poucas complicações. No início dos anos 90, surgiu um novo tipo cirúrgico que utilizava os mecanismos associados à restrição dos alimentos e a má absorção dos nutrientes. Foi desenvolvida por Rafael Capella e o método tem seu nome sendo bastante utilizado atualmente.

    A cirurgia bariátrica não tem fins estéticos, é uma cirurgia que vai alterar o hábitos e a qualidade de vida do paciente com o objetivo de fazê-lo ter uma vida mais saudável e longa. Os métodos para o tratamento cirúrgico contra a obesidade são bem radicais e devem ser feitos em condições extremas, ou seja, quando o paciente não consegue mais reduzir seu peso sozinho e corre risco de morte devido à obesidade.

  • Urologia

    Urologia

    O que é Urologia?

    A Urologia é a especialidade médica que cuida das doenças do aparelho urinário masculino e feminino e de doenças do aparelho genital masculino.

    As doenças do aparelho genital feminino são abordadas pela Ginecologia.

    A Urologia é dividida em subespecialidades, de acordo com a área específica:

    – Uro-oncologia (tratamento do câncer urológico);

    – Endourologia (tratamento endoscópico dos cálculos urinários, dos tumores urológicos e dos estreitamentos do trato urinário);

    – Laparoscopia urológica (cirurgia através de pequenas incisões “cirurgias pelo buraco da fechadura” de várias doenças dos rins, adrenais, próstata, entre outras);

    – Transplantes renais;

    – Uroginecologia (tratamento das infecções urinárias e de perdas involuntárias de urina pelas mulheres);

    – Andrologia (tratamento das disfunções sexuais masculinas);

    – Infertilidade (tratamento das doenças causadores de infertilidade masculina, principalmente varicoceles, cirurgias para reversão de vasectomia, entre outras);

    – Uropediatria.

  • Proctologia

    Proctologia

    É o ramo da Medicina que trata do Intestino Grosso e seus problemas.

    Exemplos:

    Abscesso e fístula anal

    Câncer de ânus

    Câncer de cólon e reto

    Fissura anal

    Hemorróidas

    Pólipos do intestino grosso

    Prolapso retal

    Prurido anal

    Sangramento anal

    Muitas pessoas sofrem durante muito tempo por vergonha de consultar um proctologista e também por medo do exame. Quando finalmente consultam, se arrependem por não terem ido antes. Pois esse medo e essa vergonha não têm fundamento, são resultado de “ouvir falar”.

    Em nossa clínica, o exame é feito com o paciente deitado de lado (não mais na posição de joelhos, que deixava muitas pessoas envergonhadas),coberto por um lençol, não dura mais de 5-10minutos, e, se a pessoa conseguir relaxar, não é doloroso.

  • Ortopedia

    Ortopedia

    O que é Ortopedia?

    É o ramo da Medicina que trata das alterações em ossos, músculos e articulações sejam elas congênitas (desde o nascimento), desenvolvidas durante a vida do paciente, ou por causa de problemas de postura em conseqüência da idade, acidentes ou doenças.

    O profissional desta especialidade determina a anormalidade ortopédica do corpo do paciente pela presença de assimetrias ou desvios. A avaliação leva em conta o estudo comparativo entre os dois lados do corpo, inclusive a semelhança entre os diversos segmentos dos membros.

    Sua atuação estende-se ainda ao estudo de doenças reumáticas e distúrbios das articulações (problemas osteoarticulares).

  • Oncoclínica

    Oncoclínica

    Breve informações a respeito da especialidade.

  • Oncocirurgia

    Oncocirurgia

    A Cirurgia Oncológica é uma área de atuação da cirurgia geral. O cirurgião oncológico é o profissional capacitado para realizar procedimentos cirúrgicos de diagnóstico, tratamento e paliativos (alívio de sintomas) nos pacientes com suspeita ou presença de tumores. 
    O Cirurgião oncológico está capacitado para entender o melhor momento e a melhor forma de conduzir os pacientes com câncer. 

  • Oftalmologia

    Oftalmologia

    É uma das especialidades da Medicina. É o ramo da Medicina que investiga e trata as doenças relacionadas com a visão e com os olhos e seus anexos. Especialidade médica que se dedica ao estudo e tratamento das doenças e erros de refração apresentados pelo olho. O médico oftalmologista realiza cirurgias, prescreve tratamentos e correções para os distúrbios de visão. A Oftalmologia, assim como várias outras especialidades da Medicina, tem várias sub-especialidades, entre elas a oftalmo-pediatria, a plástica ocular, doenças orbitárias, doenças das vias lacrimais, o estrabismo, o glaucoma, a cirurgia refrativa, retina, etc.

    – Ambliopia

    – Blefarite

    – Catarata

    – Cirurgia da Córnea

    – Conjuntivite

    – Degeneração Macular

    – Descolamento de Retina

    – Dor no Olho

    – Emergências Oftalmológicas

    – Escotomas

    – Estrabismo

    – Glaucoma

    – Infecção do Canal Lacrimal

    – Lentes de Contato

    – Miopia

    – Olho Vermelho

    – Olhos Secos

    – Presbiopia

    – Ptose Palpebral

    – Retinoblastoma

    – Retinopatia

    – Terçol

    – Úlcera de Córnea

  • Nutrologo
  • Neurocirurgia

    Neurocirurgia

    Neurocirurgia é a especialidade médica que se ocupa do tratamento de adultos e crianças portadores de doenças do sistema nervoso central eperiférico, assim (como tumores, doenças vasculares, degenerativas), traumas crânio-encefálicos e lesões raqui-medulares passíveis de abordagemcirúrgica. Recentemente, também passou a tratar da substituição de órgãos sensoriais (olho e ouvido interno) disfuncionais por dispositivos artificiais.

    Esta especialidade é certificada ao médico que realize um período de formação tutelada, variante segundo os países.

    No Brasil, após o término regular do curso (faculdade) de medicina de seis anos, atualmente a Residência em Neurocirurgia compreende mais 5 anos de estudos com prática clínica e cirúrgica. Licenciado como médico, o interessado em cumprir o programa da residência médica para se tornar neurocirurgião, similar às outras especialidades médicas, deve realizar prova de acesso concorrendo com outros colegas médicos interessados e ser submetido à entrevista, pois as vagas são restritas a uma a quatro vagas em média na maioria dos serviços. As provas são anuais e costumam ser muito concorridas, semelhante a um segundo vestibular. O programa oficial de residência médica é definido pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) em parceria com a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, que fornece o título de especialista, de comum acordo com a Associação Médica Brasileira. Pode ainda haver um 6º ano opcional dentro do programa da residência, de subespecialização.

    Em Portugal, o internato consiste em 72 meses distribuídos do seguinte modo: 6 de Cirurgia Geral (o que inclui 3 de Traumatologia), 3 de Neurologia, 3 de Neuro-radiologia, 48 de Neurocirurgia, 3 de Otoneurocirurgia, 3 de Oftalmoneurocirurgia, 2 de Ortopedia, 2 de Cirurgia Plástica e 2 de Cirurgia Vascular. A avaliação (teórica, prática e curricular) é feita no fim de cada ano e do internato. Finalizado este período de formação, o médico adquire o grau de especialista.

    Tanto as Sociedades Brasileira e Portuguesa de Neurocirurgia como a Academia Brasileira de Neurocirurgia e o Colégio de Especialidade de Neurocirurgia da Ordem dos Médicos portuguesa são reconhecidos pela World Federation of Neurosurgical Societies.

    As cirurgias neurológicas compreendem as: 1- cranianas, 2- espinhais, 3- dos nervos periféricos.

    As cirurgias do crânio envolvem em sua grande maioria apenas o segmento da parte intracraniana e seus envoltórios, mas eventualmente podem envolver estruturas circunvizinhas, assim como o ouvido, cavidades orbitárias, cavidades abaixo da base do crânio, por exemplo, fossa nasal, faringe, podendo servir como acesso ou área de interesse da patologia como nos casos de tumores que invadem a base do crânio e se estendem para outras regiões, alguns tumores de hipófise, etc…

    A abertura do crânio é variável em tamanho, formato e região de interesse. Cabe ao neurocirurgião escolher estes importantes detalhes de acordo o quadro clínico de seu paciente. Pode ser um ou mais pequenos furos (trepanação/trepanações), uma abertura maior bastante variável em tamanho e contornos (craniotomia, onde um pedaço do osso é retirado temporariamente para o acesso)com formato poligonal, arredondado ou com um formato intermediário. Existe também a craniectomia, onde o retalho ósseo retirado não é colocado de volta, pelo menos não no momento da cirurgia devido vários motivos: inchaço cerebral grave, infecção óssea, estilhaçamento ósseo, etc. A correção da craniectomia se chama cranioplastia e é muito comum o uso de próteses para substituir o retalho ósseo,

    Para acesso à região óssea do crânio a ser aberta o especialista também definirá como será aberto o couro cabeludo, musculatura local se houver, na região da ferida operatória. As aberturas do couro cabeludo geralmente são arqueadas ou tem formatos de ferradura, em ponto de interrogação, sinusóide e até retilíneas. Dentro da melhor técnica, o neurocirurgião deve procurar, entre outras preocupações mais importantes, preservar a estética do paciente, por exemplo, sempre que possível evitando fazer cortes na fronte (testa) do mesmo.

    Um neurocirurgião pode:

    – tratar traumatismos cranianos, encefálicos, espinhais e de nervos periféricos;

    – tratar lesões vasculares intracranianas e suas consequências: aneurismas, mal-formações artério-venosas, hemorragia, hematoma;

    – tratar tumores do encéfalo e da caixa óssea craniana, bem como tumores da coluna.

    – tratar hidrocefalia (algumas vezes intra-útero), meningocele, meningomielocele, siringomielia

    – tratar edema cerebral, abscessos, parasitoses cerebrais, cistos, etc…

    – tratar deformações congênitas do crânio; afundamentos e falhas ósseas;

    – tratar casos selecionados de Doença de Parkinson e outras condições que exijam inserção de eletrodos no sistema nervoso central;

    – tratar casos selecionados de epilepsia de difícil controle medicamentoso;

    – tratar dores crônicas diversas com procedimentos cirúrgicos;

    – tratar hérnia de disco, estenoses, degenerações discais sintomáticas, listese vertebral, escolioses, fraturas por osteoporose, síndrome facetária, compressão radicular, etc…

    – inserir e retirar próteses diversas do crânio e coluna espinhal.

    – trabalhar como pesquisador, perito médico judicial, professor, desenvolver próteses, etc…

    Os neurocirurgiões conseguem com a história clínica do paciente e exame físico compreender as alterações das partes chave e precisas que têm de ser operadas. Ferramentas como os Raios-X, TC ou CT (Tomografia Computadorizada), Ressonância Magnética, Cisternocintilografia, Eletroneuromiografia, e outros tipos de exames auxiliam secundariamente no raciocínio diagnóstico e a topografar o sítio anatômico do problema, bem como posteriormente definir a estratégia terapêutica mais apropriada.

  • Nefrologia

    Nefrologia

    O que é Nefrologia?

    É a área da Medicina que estuda e pesquisa o funcionamento dos rins e as doenças renais.

    O que é um Nefrologista?

    Nefrologista é um Clínico Geral (Medicina Interna) com especialização em doenças renais.

    O que é o Rim?

    O ser humano possui dois rins que têm cor vermelha escura e forma de um grão de feijão. Os dois medem 12cm em uma pessoa adulta e pesam, em média, 130 -170g cada um. Localizam-se nas costas um de cada lado da coluna e protegidos pelas últimas costelas.

    Aproximadamente, passam pelo rim 1.200 a 2000 litros de sangue por dia que chegam através das artérias renais. No interior dos rins, as artérias dividem-se em vasos, cada vez menores até formarem um enovelado de vasos muito finos que constituem o glomérulo. O glomérulo é o verdadeiro filtro do rim, por onde o sangue passa e é filtrado, eliminando todas as substâncias indesejáveis, através da urina. Existem aproximadamente um milhão de glomérulos em cada rim.

    A urina é formada pela eliminação da água desnecessária, dos sais e outros produtos que não devem ser acumulados no nosso sangue. A quantidade diária de urina formada a partir de 1200 a 2000 litros de sangue que passam pelo filtro renal, é de aproximadamente 1,2 a 1,5 litros por dia.

    Partindo do espaço capsular, a urina inicia a sua caminhada para o exterior, descendo pelo túbulo proximal e depois pelo ureter, chegando à bexiga e saindo pela uretra.

    Na urina são eliminados diariamente, além da água, sódio, cálcio, fósforo, uréia, ácido úrico e inúmeros outros produtos do catabolismo do nosso organismo. O trabalho metabólico aproveita o que serve para o organismo e rejeita o que não deve ser assimilado (produto catabólico), e enviando ao rim para ser eliminado por ser desnecessário.

    Para que servem os Rins?

    Entre as inúmeras funções do rim salientam-se as seguintes:

    O rim é responsável pela eliminação dos resíduos tóxicos produzidos pelo nosso organismo como a uréia e o ácido úrico. São suas as funções de filtração, limpeza e depuração;

    O rim controla o volume do organismo, eliminando ou conservando os líquidos. Por exemplo, qualquer excesso de água no corpo é eliminado pela urina; É o chamado efeito diurético.

    O rim exerce controle sobre os sais de nosso corpo, eliminando os seus excessos ou poupando-os nas situações de carência.

    A partir do controle do volume (líquidos) e dos sais, ele exerce grande influência sobre a pressão arterial e venosa do nosso organismo.

    O rim produz e secreta hormônios: como a eritropoetina, vitamina D e a renina. A eritropoetina interfere na produção dos glóbulos vermelhos e a sua falta pode levar a uma anemia de difícil tratamento. A vitamina D, calciferol, controla a absorção intestinal de cálcio. E a renina, junto com a aldosterona, controla o volume dos líquidos e a pressão arterial de nosso organismo.

    Assim, os rins regulam a pressão arterial, filtram o sangue, eliminam as toxinas, controlam a água e o sal no corpo, produzem hormônios e eliminam os excessos de medicamentos e outras substâncias ingeridas.

    Quando procurar um Nefrologista?

    Deve-se procurar um nefrologista quando algum desses sintomas, abaixo relacionados, ou sinais de alterações de doenças renais estiverem presentes; se tiver familiares com doença renal, hipertensão, diabetes, cálculos e cistos renais, ou quando tiver alguma dúvida sobre estes sintomas e sinais:

    Micção alterada, por um jato fino, difícil e/ou sem força; quando a micção é acompanhada de dor, ardência, aumento da freqüência ou mau cheiro. Levantar-se muitas vezes à noite para urinar sem razão, como por excesso de ingestão de líquidos.

    Quando a urina apresenta coloração diferente do amarelo claro, por exemplo escura como coca-cola, sangüinolenta ou amarelo muito escuro ou quando ao urinar surgir grande quantidade de espuma.

    Exame de urina que apresentar proteínas, sangue, glicose, pus, cilindros e bactérias.

    Inchume (edema) de mãos, pés ou olhos.

    Dor lombar, com urina escura ou sangüinolenta. Dor em cólica com ou sem eliminação de cálculo. Dor permanente, sem modificações, nos flancos.

    Pressão arterial elevada.

    Palidez exagerada (cor de palha de trigo) ou anemia que não responde ao uso de medicamentos com ferro.

    História de doença renal familiar. Exemplos: rim policístico, cálculo renal.

    Todo portador de diabetes mellitus com mais de 5 anos de evolução.

    Portador de doenças do colágeno, artrites (gota), lúpus.

    Exame de sangue com taxas altas de creatinina, uréia, ácido úrico, fósforo e cálcio.

    Ecografia ou radiologia ocasional que mostre rins aumentados ou diminuídos, presença de cálculos, tumores ou cistos.

  • Medicina do Trabalho

    Medicina do Trabalho

    Medicina do Trabalho ou Medicina Ocupacional é uma especialidade médica que se ocupa da promoção e preservação da saúde do trabalhador. O médico do trabalho avalia a capacidade do candidato a determinado trabalho e realiza reavaliações periódicas de sua saúde dando ênfase aos riscos ocupacionais aos quais este trabalhador está exposto durante suas atividades.

  • Mastologia

    Mastologia

    É a especialidade que trata as doenças da mama. Fazem parte da rotina do Ginecologista o exame físico e a solicitação de exames complementares, como a ultrasonografia e mamografia. No caso de haver alguma alteração é necessária a avaliação de um mastologista.

    A Importância da Doença da Mama

    O câncer de mama é provavelmente o mais temido pelas mulheres, devido à sua alta freqüência e sobretudo pelos seus efeitos psicológicos, que afetam a sexualidade e a imagem pessoal. Ele é relativamente raro antes dos 35 anos de idade, mas, após esta idade, o seu aparecimento na população cresce rápida e progressivamente. Os homens também podem desenvolver câncer de mama, porém é raro, constituindo menos de 1% dos casos de câncer de mama. Mesmo quando o diagnóstico não é tão precoce, novos tratamentos têm possibilitado a muitas mulheres viver com a doença e apresentar uma boa qualidade de vida. No Brasil, o câncer de mama é o que mais causa morte entre as mulheres.

    Sintomas:

    Nas fases iniciais, a maioria dos tumores não apresenta sintomas. Os sintomas do câncer de mama palpável são o nódulo ou tumoração no seio, acompanhado ou não de dor na mama. Podem também surgir caroços palpáveis nas axilas.

    Fatores de Risco:

    Muitas mulheres que acabam desenvolvendo o câncer de mama não apresentam fatores de risco, porém os estudos científicos mostraram que existem alguns fatores que aumentam a chance de aparecimento da doença:

    -Idade

    -História pessoal ou familiar de câncer de mama

    -Longa história menstrual

    -Não ter engravidado ou ter engravidado tardiamente

    -Obesidade

    -Mutações genéticas

    -Doença benigna da mama

    -Uso de anticoncepcionais e reposição hormonal

    Prevenção:

    A detecção precoce faz muita diferença na sobrevivência contra a doença através do exame clínico e mamografia possibilitando maior chance de cura.

    Diagnóstico Precoce:

    As formas mais eficazes para a detecção precoce do câncer de mama são o exame clínico da mama e a mamografia. A mamografia pode achar tumores que não são palpáveis.

    O exame das mamas, realizado pela própria mulher, não substitui o exame físico realizado por profissional de saúde (médico) qualificado para essa atividade.

    Tratamento:

    O tratamento depende do tipo, tamanho e grau de acometimento do tumor. Podem ser realizadas cirurgia, radioterapia, quimioterapia e/ou hormonioterapia.

    O mastologista realiza a cirurgia com o objetivo mais conservador possível. A avaliação da axila também faz parte do tratamento cirúrgico.

    O oncologista também acompanha a paciente juntamente com o mastologista, complementando o tratamento clinicamente.

    Procure seu mastologista para tirar suas dúvidas a respeito das doenças mamárias e faça seus exames regularmente.

    Dra. Kyra Borges Fernandes Otsuka

    Ginecologia e Mastologia

  • Hematologia

    Hematologia

    Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue. A palavra é composta pelos radicais gregos: Haima (de haimatos), “sangue” e lógos, “estudo, tratado, discurso”.

    A Hematologia estuda, particularmente, os elementos figurados do sangue: hemácias (glóbulos vermelhos), leucócitos (glóbulos brancos) e plaquetas. Estuda, também, a produção destes elementos e os órgãos onde eles são produzidos (órgãos hematopoiéticos): medula óssea, baço e linfonodos.

    Por outro lado, além de estudar o estado de normalidade dos elementos sangüíneos e dos órgãos hematopoiéticos, estuda também as doenças a eles relacionadas (hemopatias).

  • Ginecologia Minimamente Invasiva

    Ginecologia Minimamente Invasiva

    É o ramo da Ginecologia que busca solução dos problemas com pequena invasão, propiciando um curto período de internação com rápida recuperação. Um bom exemplo é o tratamento dos miomas uterinos, onde pode ser feita embolização dos miomas. Este procedimento é feito por cateterismo, sem necessidade de cortes no abdomen. Através de um cateter introduzido por uma artéria, identica-se a artéria que nutre o mioma fazendo a interrupção do fluxo sanguíneo naquele vaso, retirando a fonte de nutrição do mioma e reduzindo seu tamanho. O período de internação é de 24 horas e o retorno às atividades normais dá em aproximadamente 05 dias.

    Outras intervenções para tratamento de miomas podem ser realizadas, como a miomectomia (retirada do mioma) por videohisteroscopia, quando se introduz através do colo do útero um sistema de 9,5 mm (que contém ótica de vídeo e instrumental), que é usado para os miomas que estão em contato com a cavidade uterina. A videohisteroscopia também pode ser usada a nível ambulatorial (não precisa internar e nem ser anestesiada) para diagnóstico de alterações da cavidade uterina detectadas na ultrassonografia, nos casos de infertilidade, sangramento anormal, retirada de pólipos uterinos, laqueadura tubárea, dentre outras intervenções.

    Nos casos de sangramento uterino anormal pode ser realizada a ablação endometrial (destruição do endométrio, que é a parte funcional do útero). A ablação pode ser realizada por videohisteroscopia ou por modernos procedimentos, como o Thermachoice (balão intra-uterino), que realiza o procedimento em 8 minutos, e cujo período de internação é de 6 hs, em média.

    Outro ramo da ginelologia minimamente invasiva é a videolaparoscopia, também conhecida por videocirurgia (realizada através de pequenos cortes de 0,5 a 1 cm no abdomen), usada para diversas aplicações, tais como cistos de ovário, miomectomia, histerectomia (retirada do útero), avaliação de casos de infertilidade, endometriose (doença que provoca dor e pode causar infertilidade) e também em urgências, como a prenhez tubárea (gravidez na trompa), cistos torcidos de ovário, entre outras situações. A grande vantagem destes procedimentos é o curto período de internação e rápida recuperação, com breve retorno às atividades.

    Nos últimos anos, vem ganhando força em nosso meio a cirurgia vaginal. Pode ser realizada a histerectomia vaginal de útero sem prolapso (no lugar normal – não precisa estar para fora da vagina). Este procedimento propicia alta precoce (24 hs, em média), bem como baixo nível de dor e rápido retorno às atividades. As cirurgias para correção da incontinência urinária (quando a pessoa não consegue segurar a urina) com “sling” , que é uma faixa colocada para sustentar a uretra, apresentam excelentes resultados (superiores ao períneo) com breve volta às atividades. Também as cirurgias para prolapso genital (quando o útero, a bexiga ou o reto ficam para fora através da vagina) podem ser realizadas com o uso de telas, com excelentes resultados.

    O seu ginecologista é o mais indicado para esclarecer suas dúvidas sobre o assunto. Converse com ele. Os profissionais do setor de Ginecologia Minimamente Invasiva do Hospital Maternidade Frei Galvão também estão à disposição de médicos e pacientes para esclarecimentos.

    Por Djalma Antonio Almeida dos Santos – CRM – 62.184

    TEGO – 0245/05 (Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia)

    Pós Graduação em Ginecologia com especialização em “Ginecologia Minimamente Invasiva” pelo Hospital Sírio Libanês – São Paulo

    Integrante do Corpo Clínico do Hospital Maternidade Frei Galvão

  • Ginecologia e Obstetrícia

    Ginecologia e Obstetrícia

    O que é Ginecologia?

    É a especialidade que trata da saúde da mulher, da infância à terceira idade.

    Dedica atenção especial ao aparelho genital – composto por vagina, ovários, útero e trompas de Falópio – tanto no aspecto curativo como preventivo.

    Durante o período reprodutivo da mulher é visada a questão do planejamento familiar. No climatério dá-se atenção aos aspectos preventivos e de melhoria da sua qualidade de vida.

    A Ginecologia também considera os aspectos emocionais que atingem as pacientes, e que, muitas vezes, são as causas de suas visitas aos consultórios.

    Neste cenário, boa parte das queixas, cuja problemática emocional está envolvida tem a ver com:

    – Irregularidades menstruais;

    – Disfunções hormonais;

    – Sintomas pré-menstruais e menstruais;

    – Dores pélvicas;

    – Vulvo-vaginites de repetição;

    – Problemas sexuais, alguns atribuídos a anticoncepcionais.

    As consultas ao Ginecologista também visam a orientações quanto a aspectos relativos à vida feminina, como:

    – Puberdade;

    – Ciclo menstrual;

    – Sexualidade;

    – Medicação de anticoncepção;

    – Gravidez;

    – Menopausa;

    Saiba os principais sinais de alerta que indicam a necessidade de uma visita ao Ginecologista.

    Conheça também os exames utilizados para diagnosticar as principais doenças ginecológicas.

  • Gastroentereologia

    Gastroentereologia

    O que é Gastroentereologia?

    É a especialidade da Medicina que trata das patologias do aparelho digestivo.

    A Gastroenterologia também avalia a relação do aparelho digestivo (composto pela boca, faringe, esôfago, estômago, intestinos delgado e grosso) com outros órgãos, como a vesícula e o fígado.

    Isto acontece porque ao longo do tubo digestivo, que começa na boca e termina no ânus, há o envolvimento destes e outros sistemas no processo digestivo.

    A especialidade, além de intervir no tratamento das doenças comuns ao aparelho digestivo, também vem assumindo um caráter preventivo;

    – Orientando no consumo de dietas mais saudáveis;

    – Incentivando a aplicação de vacinas contra os diversos tipos de hepatite;

    – Esclarecendo sobre a importância de exames que revelem tumores do intestino grosso;

    – Aliando-se no combate ao fumo, responsável pelo aumento dos casos de câncer de esôfago e do pâncreas.

    O trabalho da Gastroenterologia reforçou-se com o avanço dos exames de imagem, como a ressonância magnética e a tomografia computadorizada.

    A endoscopia também passou por modificações e hoje é o principal procedimento para a detecção de anormalidades no aparelho digestivo.

    Baseado na política de inovação e excelência em serviços que culminarão com a abertura do Centro Diagnóstico, a instituição adquiriu equipamentos de última geração e firmou parceria com profissionais da mais alta competência para criar o maior serviço de Gastroenterologia e Endoscopia perioral do Vale do Paraíba.

    Será oferecido aos clientes do Hospital e região o que há de mais moderno em investigação e tratamento para as doenças do aparelho digestivo, algo somente visto em serviços de ponta nos grandes centros de nosso país.

    A Gastroenterologia e a Endoscopia perioral são especialidades que se complementam na prevenção, acompanhamento o tratamento de doenças do aparelho digestivo (esôfago, estômago, intestinos, fígado, vesícula biliar e pâncreas). Para tal é necessária a realização em um único local de consultas com especialistas e exames como endoscopia digestiva alta, colonoscopia e colângiopancreatografia retrógada que permitem não só procedimentos diagnósticos e curativos como também a realização de biópsias e colocação de endopróteses. Assim sendo, nada mais oportuno que a iniciativa mais uma vez pioneira do Hospital Frei Galvão de criar todas as condições necessárias para tornar disponível à população de Guaratinguetá e Vale do Paraíba algo tão grandioso e moderno como este serviço.

    Em paralelo serão disponibilizados ainda exames como broncoscopia, pHmetria de 24 horas e manometria esofágica que permitirão ampliar os métodos de diagnóstico e terapêuticos da especialidade.

  • Endocrinologia Pediátrica

    Endocrinologia Pediátrica

    A Endocrinologia Pediátrica é uma área de atuação que requer a interação de conhecimentos pediátrico e de Endocrinologia para o diagnóstico e tratamento de disfunções hormonais, que se instalam desde o período neonatal até o final da adolescência (20 anos). Tais alterações hormonais determinam repercussões sobre o crescimento, o desenvolvimento e o metabolismo de um organismo em fase de maturação, devendo, por isso, serem considerados os aspectos peculiares de cada fase do desenvolvimento. É uma especialidade de importância crescente devido ao aumento de doenças e de complicações endócrinas no paciente pediátrico. Essas doenças muitas vezes têm uma alta taxa de mortalidade e morbidade, somadas ao fato desse paciente ser de faixa etária pediátrica, o que torna indispensável o acompanhamento deste por um especialista.

    Uma dessas doenças é a obesidade cuja incidência tem tomado projeções alarmantes devido ao sedentarismo e maus hábitos alimentares, entre outros fatores. E vem atingindo até crianças de baixa idade, comprometendo sua saúde.

    O Diabetes tem apresentado aumento de incidência em crianças e adolescentes podendo, várias vezes, estar relacionado com a obesidade e outros fatores. O acompanhamento feito por um especialista torna-se necessário, pois é preciso conscientizar, tratar, e até mesmo treinar o paciente para realizar o seu próprio tratamento.

    As alterações puberais, as doenças da tireóide, os atrasos de crescimento e de desenvolvimento, alterações hormonais, raquitismo, osteoporose de causa hormonal, hipoglicemias, gigantismo, bem como anomalias da diferenciação sexual são alguns exemplos de patologias que devem ser tratadas pelo Endocrinologista pediátrico.

    Crescimento Normal

    O crescimento de crianças e adolescentes deve ser vigiado desde o nascimento até a obtenção da estatura final, utilizando-se, para isso, gráficos de crescimento populacionais que estejam adequadamente ajustados à população a que o indivíduo pertença. Os sinais de alerta para um crescimento inadequado são: percentis ou canais de crescimento abaixo do padrão populacional ou inferior ao esperado para o padrão genético da família, desaceleração do crescimento com relação à velocidade esperada para a idade, sexo e grau de desenvolvimento, previsão de estatura final abaixo da estatura alvo familiar.

  • Dermatologia

    Dermatologia

    O QUE É DERMATOLOGIA ?

    Dermatologia é a ciência que relaciona-se ao diagnóstico e tratamento das doenças da pele. Tem muito em comum com outras áreas da Medicina e seus especialistas estão envolvidos em cuidar dos pacientes, trabalharem em laboratórios, pesquisas clínicas, ensino e serviços de Saúde Pública.

    As manifestações clínicas da PELE, das UNHAS, dos CABELOS e das MUCOSAS fazem parte do campo de estudos dermatológicos.

    O conhecimento científico de um Dermatologista é necessário, assim como suas habilidades tornando a Dermatologia uma das mais amplas e generalistas especialidades médicas.

    Os dermatologistas têm necessidade de conhecer em profundidade os problemas cutâneos relacionados à Medicina geral, Obstetrícia, Ginecologia, Endocrinologia e outras especialidades médicas.

    As doenças da pele afetam pessoas de todas as idades; crianças, adolescentes, adultos e idosos. O dermatologista utiliza uma grande variedade de métodos terapêuticos, desde o uso de antibióticos até o bisturi, realizando, na verdade, um número maior de pequenas cirurgias que o próprio cirurgião.

  • Clínica Médica

    Clínica Médica

    A Clínica Médica, também conhecida como Medicina Interna, é a especialidade médica que trata de pacientes adultos, atuando principalmente em ambiente hospitalar. Também é referida como a Medicina dos órgãos internos.

    A Clínica Médica engloba várias outras especialidades chamadas Clínicas, como a Pneumologia (pulmões), Gastroenterologia (estômago e intestinos), Neurologia (sistema nervoso) e outras.

    A Cirurgia torácica é a especialidade médica que se dedica ao tratamento de patologias pulmonares e torácicas passíveis de abordagem cirúrgica exceto as que acometem o coração e grandes vasos.

  • Cirurgia Ortopédica

    Cirurgia Ortopédica

    Um dos mais importantes ramos da Cirurgia hoje em dia é sem dúvida alguma a Cirurgia Ortopédica. Ela trata todos os problemas e defeitos referentes ao sistema músculo esquelético.

    Diferentemente do que se costuma acreditar, a Cirurgia Ortopédica não trata somente fraturas mas também deformidades congênitas, problemas crônicos e traumáticos e problemas relacionados ao uso excessivo do tecido ósseo. Dependendo do caso, cirurgiões ortopédicos também receitam medicamentos e outros tratamentos envolvendo procedimentos não-cirúrgicos.

    Outras importantes especialidades da Cirurgia Ortopédica incluem a Ortopedia Pediátrica e Ortopedia para Idosos, já que tanto crianças quanto pessoas mais velhas têm esqueletos frágeis. Em crianças, é devido a uma estrutura óssea imatura e pessoas mais velhas por perderem a dureza óssea devido a problemas como osteoporose, muito comum em mulheres depois da menopausa.

  • Cirurgia Vascular

    Cirurgia Vascular

    Aproximadamente 20 a 30 milhões de pessoas no Brasil são portadores de Varizes. As varizes (veias dilatadas e tortuosas) depois que surgem passam a não transportar adequadamente o sangue que retorna ao coração. Felizmente comprometem significantemente o sistema superficial (abaixo da pele) preservando o sistema profundo (próximo do osso) que é responsável pelo retorno de 85% do sangue que vem dos membros inferiores para o coração. Dos vários fatores que contribuem para o surgimento das varizes, o principal deles é o fator hereditário (origem familiar). Cerca de 80% das pessoas portadoras de varizes são mulheres, onde o fator hormonal leva a uma fragilidade da parede das veias.

    A médio e longo prazo as varizes podem causar complicações como flebite superficial (inflamações da veia com formação de coágulos), rompimento com hemorragia, manchas escuras, deformidades, cicatrizes e, em casos mais graves, feridas de difícil cicatrização. Além da questão orgânica, existe o prejuízo que as varizes e os microvasos (“vasinhos”) trazem do ponto de vista estético.Como em tudo na Medicina, melhor é prevenir.

    A área de Cirugia Vascular trata por meio de cirurgia os distúrbios das veias e artérias periféricas como dos membros. É o cirurgião vascular que opera as varizes dos membros inferiores, além de promover a desobstrução de artérias periféricas obstruídas por trombos ou êmbolos que podem ser coágulos sangüíneos. Veja alguns dos procedimentos realizados:

    Vascular

    As varizes são veias superficiais anormais, dilatadas, cilíndricas ou saculares, tortuosas e alongadas, caracterizando uma alteração funcional da circulação venosa do organismo, com maior incidência no sexo feminino. As principais queixas clínicas dos pacientes são: dor tipo “queimação” ou “cansaço”, sensação das pernas estarem pesadas ou ardendo, edema (inchaço) das pernas, principalmente ao redor do tornozelo, que, freqüentemente, melhoram com a elevação dos membros inferiores e agravam-se no fim do dia, quando se permanece por longo tempo em pé ou sentado; no calor, nos períodos próximos ou durante a menstruação e também durante a gravidez.

    Subir escada pode ser considerado até um exercício físico e portanto, ajuda a incrementar o retorno venoso.

    A ginástica, desde que recomendada pelo médico e acompanhada por professores de Educação Física, não só não provoca varizes como também é bastante aconselhável para evitá-las. Quanto à musculação, desde que não seja exagerada, não há contra-indicação.

    Dicas úteis para evitar varizes:

    – Evitar ganhos exagerados de peso. EMAGREÇA!!!

    – Dieta rica em fibras para evitar a constipação intestinal.

    – Procurar não permanecer muito tempo parado em pé ou sentado.

    – Não usar cintas abdominais apertadas.

    – Realizar caminhadas e/ou exercícios físicos com supervisão médica.

    – Utilizar sistematicamente meias elásticas, principalmente durante a gravidez.

    – Evitar hormônios anticoncepcionais.

    – Consulte regularmente seu angiologista/cirurgião vascular!

    – NÃO FUMAR!!!

    O tratamento específico das varizes depende, fundamentalmente, da veia a ser tratada. Aqueles cordões varicosos, salientes e visíveis, que elevam a pele, e aquelas pequenas veias de trajeto tortuoso ou retilíneo são de tratamento cirúrgico; já as telangiectasias ou aranhas vasculares devem ser tratadas pela escleroterapia (injeção de uma solução esclerosante dentro destes vasos).

    As veias que são retiradas, por estarem doentes, não colaboram para a circulação; Ao contrário, sua retirada causa melhoria na drenagem venosa dos membros inferiores, aliviando sintomas e prevenindo as implicações da evolução da doença. Naqueles pacientes que não querem ou não podem fazer nenhum dos tipos de tratamento citados, pode ser empregado o tratamento clínico com medicamentos, elevação dos membros inferiores e, fundamentalmente, o uso de meia elástica.

  • Cirurgia Torácica

    Cirurgia Torácica

    É a especialidade médica que se ocupa do tratamento de patologias pulmonares e torácicas passíveis de abordagem cirúrgica a exceção das que acometem o coração e grandes vasos.

  • Cirurgia Plástica

    Cirurgia Plástica

    Rejuvenescimento Facial

    Atualmente, a Cirurgia Plástica (face lift) de rosto e pescoço envolve técnicas precisas e delicadas, que chegam a modificar as estruturas profundas da face, como os ligamentos, músculos e gorduras localizadas e, ocasionalmente, até o próprio contorno ósseo. Essas modificações são feitas de acordo com as feições de cada paciente, possibilitando um novo posicionamento da pele de forma harmoniosa, sem estirá-la em demasia, conservando o aspecto natural das expressões faciais.

    Esta nova maneira de modelar foi aprimorada nos anos 90, e apesar de trabalhosa garante um resultado estético melhor e mais duradouro, sem aquele aspecto “repuxado” de plástica facial. A ritidioplastia (nome técnico da cirurgia) recupera os contornos mais joviais da face e do pescoço, mediante a remoção do excesso de pele e gordura e do realinhamento da camada músculo-aponevrótica.

    Também são corrigidos os sulcos em torno da boca e o queixo duplo (este através de lipoaspiração mentoniania), dando ao paciente um aspecto mais jovem e bonito. A cirurgia de pálpebras normalmente é feita juntamente com a de face. A cirurgia dura entre 3 e 4 horas, e podemos utilizar anestesia local com sedação ou anestesia geral.

    O paciente deve ficar internado por 12 horas. O resultado de rejuvenescimento tem duração permanente, mas os efeitos do tempo continuarão agindo no rosto do paciente que já fez plástica. Apesar de toda a intervenção cirúrgica oferecer riscos, essa cirurgia é segura e não tem apresentado complicações, sendo inclusive uma prática muito comum entre os cirurgiões.

    A recuperação não é dolorosa e os edemas desaparecem em duas semanas. Você poderá voltar ao trabalho após 15 a 30 dias.

    Há também o tratamento de rugas perilabiais, peripalpebrais e mesmo de toda a face através de cirurgia com laser. As depressões faciais podem ser corrigidas com enxerto de gordura, Botox® (também utilizado como tratamento complementar desta cirurgia), Restylane® e outros elementos aprovados pelo F.D.A.

    Uma Cirurgia Plástica bem executada eleva a sua auto-estima.

    Cirurgia de Seios: Aumento e Redução de Seios

    Cirurgia Facial: Lipo do Submento-Papada, Rinoplastia, Pálpebras, Rejuvenescimento, Otoplastia

    Remodelação Corporal: Plástica do Abdômen, Lipoaspiração, Lipoescultura, Aumento de Glúteos

    Cirurgias Íntimas: Cirurgias da Intimidade Feminina e

    Cirurgias Masculinas: Ginecomastia, Otoplastia, Lipoaspiração, Prótese Peitoral, Prótese de Glúteos, Rejuvenescimento Facial.

  • Cirurgia Pediátrica

    Cirurgia Pediátrica

    Nos últimos 30 anos a CIRURGIA PEDIÁTRICA tem se diferenciado da do adulto pelos mesmos conceitos que fizeram a Pediatria diferenciar-se da Clínica Médica há aproximadamente 60 anos. As exigências específicas e a dificuldade assistencial às crianças têm tornado necessária esta separação. Com isto, a cirurgia pediátrica se ocupa das cirurgias geral e específica da idade infantil.

    Com a criação de técnicas cirúrgicas desenvolvidas para a idade pediátrica, conseguimos manter em equilíbrio o organismo frágil da criança, permitindo uma melhor e mais rápida recuperação, com períodos curtos de internação hospitalar (onde por exemplo, a criança tem sua hérnia corrigida pela manhã e volta para o lar no mesmo dia da cirurgia), diminuindo com isso o trauma da separação dos pais, bem como os custos da cirurgia, com menor oneração aos orçamentos da família e da instituição mantenedora do serviço de saúde.

  • Cirurgia Geral

    Cirurgia Geral

    O que é Cirurgia Geral?

    É uma especialidade médica secular que congrega vários segmentos do ramo cirúrgico, tendo como objetivo atender pacientes portadores de doenças de ordem aguda ou crônica.

    O Cirurgião Geral sempre atuou em diversas áreas da Medicina. Atualmente, a tendência é a de que este especialista se detenha mais nas enfermidades específicas do aparelho digestivo e no atendimento de urgência prestado às vítimas de traumatismo.

  • Cirurgia de Cabeça e Pescoço

    Cirurgia de Cabeça e Pescoço

    O que é Cirurgia de Cabeça e Pescoço?

    É a especialidade responsável pela prevenção, diagnóstico, tratamento e a reabilitação das doenças da cabeça e pescoço.

    Entre as áreas que são assistidas pela especialidade estão:

    – Nariz

    – Boca

    – Garganta (laringe e faringe)

    – Tireóide e paratireóide

    – Glândulas salivares

    – Lesões da pele

    Para se especializar, o profissional em cirurgia de cabeça e pescoço deve passar dois anos no setor de Cirurgia Geral ou de Otorrinolaringologia. Depois disso, ainda é necessário submeter-se a três anos na própria especialidade de cirurgia de cabeça e pescoço.

    A especialidade também promove e avança nas pesquisas científicas das doenças que afetam a região da cabeça e do pescoço, principalmente nos casos de câncer.

    Exceto as patologias que envolvem as doenças do sistema nervoso central e problemas nos olhos e dentes.

  • Cirurgia Cardíaca

    Cirurgia Cardíaca

    Agora já é possível realizar cirurgias e exames do coração sem sair da sua região.

    Com um centro cirúrgico preparado especialmente para as cirurgias cardíacas, o Hospital reuniu no dia 13 de maio, no Restaurante o Paturi, os cardiologistas de Guaratinguetá e os Doutores Anselmo Salgado e Dr. João Bosco de Oliveira, ambos da Beneficiência Portuguesa, de São Paulo.

    E é fato reconhecido que até os fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos a não ser os mais simples. Em pouco mais de quatro décadas ocorreu uma evolução, fruto de sonhos, tenacidade, perseverança e muitas pesquisas.

    Nascido em Guaratinguetá, o conhecido Professor Zerbini dedicou anos de sua vida em prol da cirúrgia cardíaca brasileira, o que ajudou muito na transformação do tabu de ontem na alta rotina corretiva da cirurgia de hoje.

    O avanço cientifico do século XX desmistificou o coração como sede da alma, colocando-o em um patamar não muito distante dos demais órgãos do corpo, assim, iniciando a evolução da cirurgia cardíaca.

    No Brasil são realizadas mais de 35000 operações cardíacas, com resultados comparáveis internacionalmente, foram realizados em 142 centros distribuídos por todo o país, com participação de 350 cirurgiões associados à Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular.

    E hoje já é realizada no Hospital Maternidade Frei Galvão com médicos renomados, qualificados e capacitados de Guaratinguetá e Beneficiência Portuguesa, de São Paulo.

    Guaratinguetá mais uma vez se destaca e é a cidade regional em saúde!!!!

  • Cardiologia

    Cardiologia

    O que é Cardiologia?

    Cardiologia é o ramo da Medicina que estuda o funcionamento, a anatomia e as doenças do coração, das artérias, das veias e, em geral, de todos os componentes do sistema cardiovascular.

    Sintomas relacionados a lesões de certas partes do coração ou do aparelho circulatório também são examinadas pelo Cardiologista, seja por meio da ausculta cardíaca, método não-invasivo mais comum, seja pela realização de procedimentos cirúrgicos complexos.

    A função básica do sistema cardiovascular é transportar oxigênio e outros nutrientes para as células do corpo, além de remover produtos do metabolismo celular e carregar substâncias de uma parte para outra do corpo.

    O funcionamento do coração, além de ser ser altamente complexo, está sob a influência de outros sistemas do corpo. Algumas doenças ou estados emocionais também aumentam a possibilidade do indivíduo vir a sofrer de complicações cardíacas.

    Entre os principais fatores de risco estão:

    – Diabetes;

    – Estresse;

    – Hipertensão;

    – Obesidade;

    – Tabagismo;

    – Colesterol alto;

    Além desses fatores, há sinais de alerta que indicam ao paciente a necessidade de visitar um cardiologista para avaliar a saúde do coração.

    Os exames vão indicar qual tratamento deverá ser adotado para cada uma das diversas patologias cardíacas.

  • Anestesiologia

    Anestesiologia

    Realiza procedimentos para evitar o aparecimento de dor durante o ato cirúrgico ou aliviar a dor crônica.

    1. O que é Anestesiologia?

    É a especialidade médica que estuda e proporciona ausência de dor e outras sensações ao paciente que necessita realizar procedimentos médicos como cirurgias ou exames para diagnóstico. Além disto, é o Anestesiologista que identifica e trata alterações das funções vitais do paciente durante a cirurgia.

    2. Quem aplica a anestesia?

    A anestesia, por determinação legal, é um ato privativo do Anestesiologista inclusive em cirurgias odontológicas. O Anestesiologista é um médico formado por faculdade de Medicina credenciada pelo Ministério da Educação, com curso de especialização e treinamento em Anestesiologia, sólida formação acadêmica e profundos conhecimentos em física, química, biologia e matemática, além do título de Especialização em Anestesiologia reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina.

    3. O que faz o Anestesiologista?

    Muita gente ainda acredita que a função do médico anestesiologista é apenas de ministrar drogas para que o ato cirúrgico seja suportável e sem dor. Não sabem eles que durante a cirurgia, além da função natural de retirar a sensação de dor para que o ato seja suportável ao ser humano, o médico anestesiologista tem a missão de monitorar o estado geral do paciente, cuidar de seu nível de consciência, pressão arterial, pulso, respiração, bem como estar atento a qualquer alteração. Em resumo, ele é o responsável por manter as funções vitais do paciente e está preparado para identificar e tratar qualquer alteração.